sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Ando lendo que amor é liberdade

Ando lendo que amor é liberdade. 

É difícil aceitar essas duas palavras juntas, eu sei. Ainda mais em uma sociedade tão egoísta, mesquinha, que mendiga e manipula o amor na mesma medida. 


O amor que eu digo aqui é o amor de amante, claro! Amor de enamorados. Aquele amor que fazem ser um jogo de caráter, competição, conquista. Enquanto o fizerem assim, a liberdade não vingará. 


Então, ande lendo que amor é liberdade, aceite que amor, só é felicidade, quando liberdade.

terça-feira, 10 de junho de 2014

Vida com graça

Marcas no passado e passado que marca. Se não existissem, a vida seria sem graça. Prefiro assim, certa de que o mundo tá cheio de gente que ama quem a gente ama, cheio de gente amada por quem a gente ama, cheio de gente que a gente continua amando.


Amor é feito para compartilhar, traçar momentos, guardar lembranças para serem resgatadas na memória sem motivo, suspirar porque ele foi bom e também porque foi ruim. Se vai doer ou se vai durar, não importa. 

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Vive agora, no tempo, comigo

Quando a mente decide não correr mais que o coração, a alma se acalma e se junta ao corpo, deixando transparecer a nobreza do desejo, da sinceridade, da vontade que é carne e amor na mesma medida. A lembrança de sua cor foi capaz de acalentar mais uma noite fria que passei sozinha, pois seus passos deixam traços e sua hora ainda não passou. Tem olhar que rouba o olhar da gente, mão que marca, homem que vira flor. Tem coração sem gênero que se apaixona, é feliz, e pronto, ponto.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Dói viver correndo

Imagine correr pelas estradas deixando para trás um amor. Não um grande amor – um amor comum, desses que trocamos a cada dois anos. Eu sou contra grandes amores; eles não existem, e se existissem seriam chatos demais. Para o amor ser bom, ele precisa ser fresco e brisa. E se você deixa para trás aquele amor que imaginou lá no começo, ele automaticamente se tornará algo grandioso e digno de saudade. Daí imagine correr pelas estradas deixando para trás um simples amor... A dor virá do mesmo jeito!

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Cinco de amor

Já são vinte trocas de estações de um sentimento que envolve saudade, ciúme, raiva e espera, sendo a espera um espelho da falta de coragem e da existência de uma eterna esperança. Foram quatro estações de paixão imatura. Seis estações de frustração e tentativa de esquecimento. Cinco estações de raiva e distância,  e mais cinco o buscando como amante. Talvez a ordem não importe tanto agora, momento em que assumo ter vivido à espera de ser selvagem ao seu lado, gritando aos quatro cantos do mundo que todos os obstáculos não foram suficientes para diminuir aquele mar de vontades que me afoga toda vez que perco mais uma batalha sem lutar. Porque você pra mim é batalha infindável, na qual sempre entro sem espada e sem escudo. Não busco armas e nem assumo meu posto nas lutas. Apenas me deixo levar, afinal, são muitos os números, não gosto de guerra, a soma é complicada, os adversários são profissionais, não tenho afinidade com matemática, minto para o mundo, você não gosta de mim... Ou talvez até goste, mas sabe que precisa de gente corajosa ao seu lado. 

quinta-feira, 27 de março de 2014

Amando todo o mundo

Quando sua casa era meu descanso, sua roupa me aquecia e seu riso me confortava, eu era mais segura. Mas a segurança que eu tinha em nós custava minha liberdade.



Nas vezes em que repousava em teu peito para dormir, sorria com a certeza de estar apaixonada. Ah, e como era bom ser amada pelos quatro ventos e aos quatro cantos!


Mas hoje prefiro me amar. E a parte de mim que amo, ama amar o mundo todo!